MEDALHA DE SÃO BENTO

A Medalha de São Bento é um objeto sagrado examinado e aprovado pela igreja, e que reúne a virtude triunfante da santa cruz, que nos salvou, à recordação de São Bento, um dos mais ilustres servidores de Deus.

A honra de figurar na mesma medalha com a imagem da santa cruz foi concedida a São Bento, com a finalidade de indicar a eficácia que aquele sagrado sinal teve em suas mãos. São Gregório Magno, que escreveu a vida do santo Patriarca, no-lo representa dissipando com o sinal da Cruz suas próprias tentações, e quebrando com o mesmo sinal, feito sobre uma bebida envenenada, o cálice que a continha.

Além da imagem da Cruz e da de São Bento, a medalha traz ainda certo número de letras, cada uma das quais representa uma palavra latina. Essas letras misteriosas acham-se dispostas na face da medalha em que está representada a Santa Cruz. Examinemos, em primeiro lugar, as quatro que vêm colocadas entre as hastes da referida Cruz:

“C S P B”, que significam: Crux Sanct Patris Benedcti; em português, Cruz do Santo Padre Bento. Na linha vertical da cruz, lê-se: “C S S M L”, o que quer dizer: Cruz Sacra Sit Mihi Luz; em português, A Cruz Sagrada seja a minha luz. Na linha horizontal da mesma Cruz, lê-se: “N.D.S.M.D.”, o que siginifica: Non Draco Sit Mihi dux; em português: Não seja dragão o meu chefe. Reunindo-se essas duas linhas forma-se um verso latino, pelo qual o cristão exprime sua confiança na Santa Cruz e sua resistência ao julgo que o demônio lhe quereria impor.

m redor da medalha existe uma inscrição mais extensa, a qual em primeiro lugar apresenta o santíssimo nome de Jesus, expresso pelo monograma bem conhecido: I.H.S. A fé e a experiência nos certificam a onipotência desse nome divino. Vêm depois, da direita para a esquerda, as seguintes letras: “V.R.S.N.S.M.V.S.M.Q.L.I.V.B.”. Essas iniciais representam os dois versos que seguem:

Vade retro satana; nunquan suade mihi vana:
Sunt mala quae libas; ipse venena bibas.

Em português: Afasta-te, satanás; nunca me aconselhes tuas vaidades, a bebida que ofereces é o mal: Bebe tu mesmo teus venenos.

Tais palavras supôem-se terem sido ditas por São Bento: as do primeiro verso, por ocasião da tentação que sentiu e da qual triunfou fazendo o sinal da cruz; as do segundo verso, no momento em que seus inimigos lhe apresentaram uma bebida mortífera, que ele descobriu benzendo com o sinal da vida o cálice que a continha.

O cristão pode usar essas palavras toda vez que for assaltado por tentações e insultos do inimigo invisível de nossa salvação. O próprio Jesus Cristo nosso senhor santificou as palavras Afasta-te, satanás e seu valor é certo, uma vez que nos é assegurado pelo próprio Evangelho. As vaidades que o demônio nos aconselha são as desobediências à lei de Deus, as pompas e as falsas máximas do mundo.

A bebida que o anjo de trevas nos apresenta é o pecado, que dá morte a alma. Em vez de aceitá-la, devolvamos a ele tão funesto presente, já que ele mesmo o escolheu como sua herança.

Bem sabemos que o demônio é considerado, por muita gente, mais como um ser imaginário do que como um ser real; nessas circunstâncias, pode parecer estranho que uma medalha seja empregada como proteção contra ciladas do espírito maligno. Entretanto, as Sagradas Escrituras nos fornecem inúmeras passagens que nos dão idéia do poder e da atividade dos demônios, assim como dos perigos de alma e corpo a que estamos continuamente expostos por efeito de suas ciladas. Não fazer caso dos demônios e rir quando se ouve falar deles, isso não basta para aniquilar o seu poder.

Aplicando agora essas considerações à medalha de São Bento, vemos como é vantajoso empregá-la com fé nas ocasiões em que mais tivermos que temer os embustes do inimigo. Sua proteção - não duvidemos disso - se mostrará eficaz em toda espécie de tentações.